segunda-feira, 23 de julho de 2012

Esperança de fim da pandemia de Aids prevalece em Conferência Internacional


Publicação: 22/07/2012 14:41 Atualização:
A possibilidade de pôr fim à pandemia de Aids graças a um arsenal de novos tratamentos mostra uma luz no fim do túnel para autoridades e pesquisadores, que se reúnem a partir deste domingo na Conferência Internacional sobre a doença em Washington, mesmo que ainda não se fale em cura.

"Pela primeira vez acreditamos que podemos declarar o começo do fim da pandemia de Aids", disse à imprensa Diane Havlir, professora de Medicina da Universidade da Califórnia de San Francisco (Califórnia, oeste), e copresidente da Conferência da Aids de 2012.

O mesmo otimismo é compartilhado por Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas (NIAID): "Começamos realmente a nos dar conta de que é possível atuar na transmissão e mudar a trajetória da pandemia (...), inclusive que (ainda) não haja cura", explica à AFP.

O virólogo baseia suas esperanças, sobretudo, nos recentes resultados de testes clínicos que revelam que os antirretrovirais também permitem reduzir fortemente o risco de transmissão em pessoas saudáveis, e não apenas controlar o vírus naquelas que estão infectadas.

Para o doutor Gottfried Hirnschall, encarregado do relatório sobre a Aids da Organização Mundial de Saúde (OMS), isto "estará, provavelmente, o centro das conversas da conferência".

Esta será a primeira vez desde 1990 que a conferência bianual, a número 19, será realizada nos Estados Unidos, depois da anulação de uma lei que proibia o acesso de soropositivos ao país.

A proibição foi anulada pelo Congresso em 2008 e o texto, promulgado pelo presidente Barack Obama em 2009.

"Reverter a tendência da pandemia para termos uma geração livre da Aids", é o tema principal da conferência, que reunirá de 22 a 27 de julho 25.000 participantes, entre personalidades políticas, artistas, pesquisadores e ativistas.

Além o ex-presidente Bill Clinton (1993-2001), e sua esposa, Hillary, secretária de Estado americana, também participarão personalidades como Elton John e Bill Gates, ou cientistas de renome, como a prêmio Nobel de Medicina Françoise Barre-Sinoussi, que, ao lado de Luc Montagner, descobriu o vírus da Aids.

Estima-se que 34 milhões de pessoas vivam com Aids no mundo. Cerca de 30 milhões de pessoas morreram desde o início da doença, há mais de três décadas, e cerca de 1,8 milhão morrem todos os anos vítimas da doença.


..::DEIXE SEU COMENTÁRIO::..

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores