quinta-feira, 31 de maio de 2012

Adolescente de 14 anos mata a mãe grávida na frente do irmão, em Uberlândia, na região do Triângulo Mineiro.

A vítima foi assassinada com 13 facadas na frente de outro filho de apenas 4 anos


DIVULGAÇÃO POLÍCIA CIVIL
DELEGADO
Delegado Luciano Alves dos Santos mostra a faca usada no crime


Após oito meses de investigações, a Polícia Civil de Minas concluiu que uma mulher de 31 anos, morta com 13 facadas, foi assassinada pelo próprio filho de 14 anos. O crime ocorreu no dia 25 de setembro do ano passado, em Uberlândia, na região do Triângulo Mineiro.

De acordo com a Delegacia de Homicídios de Uberlândia, na época, o corpo de Gislene Alves da Silva, grávida de sete meses, foi encontrado com 13 facadas, dentro de casa, no Bairro Presidente Roosevelt. Na ocasião, o filho de Gislene chamou a Polícia Militar alegando ter encontrado a mãe morta.

Segundo o delegado responsável pelo caso, Luciano Alves dos Santos, até pouco tempo o garoto estava livre de qualquer suspeita.

“Porém, o contexto probatório dos autos era intrigante e investigamos o próprio filho, que acabou confessando o crime”, complementou Santos.

Ainda segundo o delegado, inicialmente todas as suspeitas recaíram sobre o companheiro da vítima, de 33 anos, de quem ela estava grávida e já tinha um outro filho de 4 anos.  A criança, inclusive, presenciou a morte da mãe, mas, em estado de choque, não conseguiu dar informações precisas sobre o homicídio.

“O álibi do companheiro dela foi convincente e a suspeita foi descartada”. Santos salientou que o garoto confessou o crime e disse que matou a mãe após discutir com ela.

“Durante a discussão, a mulher desmaiou, devido a problemas de saúde, e com ela ainda desacordada, ele a esfaqueou”, disse o delegado. A faca usada no matricídio foi encontrada no telhado da casa de uma vizinha.

Os autos do inquérito foram encaminhados ao Juizado da Infância e da Juventude, que decidirá sobre o destino do adolescente.

Uma cópia foi enviada para a Delegacia de Orientação ao Menor. O delegado disse que, pelas circunstâncias, era um crime de difícil solução, “mas graças a uma investigação minuciosa, conseguimos apurá-lo”, concluiu.

(*) Com informações da Polícia Civil



..::DEIXE SEU COMENTÁRIO::..

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores